Projeto em análise na Câmara pode alterar tratamento tributário diferenciado das igrejas em 2022

fev 21, 2022 | Mídias | 0 Comentários

Proposta em tramitação pode fazer com que igrejas passem a pagar impostos que hoje são isentas, mas tributarista não vê condições técnicas e jurídicas para a cobrança da CSLL.

As comissões de Finanças e Tributação e de Constituição, Justiça e Cidadania da Câmara dos Deputados analisam, atualmente, o Projeto de Lei 3050/21, que submete templos de qualquer culto às regras vigentes para as pessoas jurídicas que determinam o pagamento de três contribuições para o financiamento da Seguridade Social:  Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) , Cofins e PIS/Pasep. Caso seja aprovada, a medida pode revogar o atual tratamento tributário diferenciado das igrejas.

O texto retoma o teor de veto derrubado pelo Congresso Nacional em março de 2021.

Na ocasião, ao sancionar a Lei 14.057/20, que regulamenta acordos sobre precatórios, o presidente Jair Bolsonaro vetou, com efeitos retroativos, a isenção de CSLL para as igrejas e templos, com efeitos retroativos. Autor do projeto, o deputado Nereu Crispim (PSL/RS), afirma que é possível verificar que algumas igrejas vão além do propósito espiritual e funcionam como empresas. “E este projeto de lei vem para tributá-las com tratamento semelhante ao das demais pessoas jurídicas”.

Pelas regras atuais, por força da Constituição Federal, templos de qualquer culto são imunes aos impostos que incidem sobre seus patrimônios, receitas ou serviços relacionados as suas atividades essenciais, não sendo imunes aos demais tributos. Além disso, a Lei 7.689/88 estabelece a isenção de CSLL para templos religiosos e a MP 2.158-35/01 prevê a isenção de Cofins nas atividades próprias das igrejas e estabelece um tratamento diferenciado em relação ao PIS/Pasep.

Segundo o professor e advogado especializado em Direito Tributário, André Félix Ricotta de Oliveira, sócio do escritório Félix Ricotta Advocacia, como a imunidade tributária dos templos está prevista na Constituição, não se pode cobrar nenhum imposto de patrimônio, renda ou serviços, de tudo o que for destinado para manutenção do templo. “As instituições religiosas já possuem essa imunidade prevista na Constituição, que não pode ser alterada. E isso já é um benefício tributário tremendo”, aponta o advogado.

No caso das contribuições previdenciárias, o professor explica que os templos não contam com esse tratamento privilegiado, então elas devem pagar tributos como todos na sociedade. “Aqui impera o princípio da solidariedade, que todos têm que contribuir para a seguridade social.  Quanto ao PIS/Cofins, não vejo maiores problemas em contribuir, como toda a sociedade, até porque as instituições religiosas não gozam de imunidade tributária quanto as contribuições previdenciárias”, afirma.

impostos para igrejas

impostos para igrejas

Mas, para André Félix, o PL que prevê a exigência da CSLL, se aprovado, não terá eficácia técnica, pois as organizações religiosas não possuem fins lucrativos. “O que eu não vejo como é cobrar contribuição social sobre o lucro, porque uma instituição religiosa, em tese, é uma entidade sem fins lucrativos, assim o seu resultado positivo no exercício é considerado e deve ser aplicado para a manutenção da própria entidade.  Como ela não realiza a hipótese de incidência, a contribuição social sobre o lucro seria uma norma sem eficácia técnica e jurídica. O que pode ser feito é criar um tributo, caso esse dinheiro seja retirado da instituição e aplicado para outros fins”, finaliza.

Fonte: contabeis.com.br

 

Outros artigos…

MG terá perda bilionária com a PEC dos combustíveis

MG terá perda bilionária com a PEC dos combustíveis

MG terá perda bilionária com a PEC dos combustíveis caso a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) em elaboração pelo governo federal e que pretende zerar tributos federais e estaduais sobre combustíveis avance, haverá uma perda estimada de R$ 40 bilhões a R$ 50...

Close Bitnami banner
Bitnami